Do pantanal vêm os apreciados e saborosos peixes de água doce, como o pintado, o pacu e o dourado, e do cerrado vêm o pequi e a guariroba, indispensáveis aos pratos de arroz ou frango típicos do Centro-Oeste. Ingredientes com tradição indígena e preparos muito especiais, como o clássico Caldo de Piranha Pantaneira.

Outras culturas também influenciam a culinária campo-grandense. Do Paraguai, vem a Sopa Paraguaia, que, apesar do nome, é um bolo salgado, feito de milho, fubá, ovos, cebola e queijo, e a Chipa, um tipo de pãozinho de queijo. Os imigrantes japoneses trouxeram o Sobá – ou toshikoshi-sobá –, um prato de macarrão, quase uma sopa, preparado com pedaços de carne de porco, boi ou galinha e condimentos orientais, que se tornou famoso na cidade e pode ser saboreado em vários lugares, inclusive na Feira Central.

Também do Paraguai, veio o Tereré, uma variação do Chimarrão em que a erva-mate é misturada com água gelada. A bebida é preparada na guampa, um recipiente feito tradicionalmente de chifre de boi, e sorvida com a tradicional bombilla. Tereré e boas conversas alimentam as Rodas de Tereré, uma das tradições mais simpáticas de Campo Grande.